Desejos de grávida: 4 dicas para lidar com desejos na gravidez

Compartilhe!

Bife com doce de leite, tomate com suspiro, brigadeiro com aspargos. Arrepiou só de pensar? Pois esse tipo de combinação exótica, certamente já passou pela cabeça de muitas futuras mamães e foram desejos de grávida.

Muito comuns, os desejos de grávida são cercado por mitos, crendices e superstições. Mas afinal, por que eles acontecem e o que pode ser feito para que a vontade incontrolável de ingerir alimentos calóricos ou pouco nutritivos não prejudique a dieta saudável e balanceada que toda gestante deve ter? É o que você vai descobrir agora. Boa leitura!

Desejos de grávida: mito ou verdade?

Há quem acredite que os desejos exóticos durante a gestação sejam simplesmente “frescuras” da futura mamãe. Isso não é verdade.

O fenômeno é chamado pelos médicos de picamalácia, e é caracterizado pela ingestão de substâncias com pequeno ou nenhum valor nutritivo. Essas substâncias podem ser não comestíveis, como terra, tijolo ou palito, ou ainda comestíveis, porém não consumidas de sua forma habitual, como pimentão com bala de goma. Embora apareça mais frequentemente durante a gravidez, a condição pode surgir em qualquer fase da vida.

Segundo os especialistas, a picamalácia na gestação é causada pela junção de três fatores, que você vai entender melhor agora:

Causas emocionais

Além das alterações corporais, a gravidez traz mudanças nos papéis sociais e afetivos exercidos pela mulher. Não é incomum que a insegurança causada por essas transformações afetem o comportamento da gestante.

Nessa fase, a mulher pode ficar mais sensível e comer como forma de suprir uma carência emocional ou cativar a atenção de familiares ou do companheiro. Quando seu desejo é atendido, a grávida se sente acolhida. É importante lembrar que, na maior parte dos casos, trata-se de um mecanismo inconsciente.

Causas hormonais

O beta HCG, ou gonadotrofina coriônica humana, e a progesterona, hormônios que regulam a gestação, têm o poder de alterar, além do humor, o apetite, olfato e paladar das futuras mamães.

Por isso, não é incomum que as grávidas sintam vontade de comer algo a que não estavam habituadas ou de que nem sequer gostavam, e passem a rejeitar alimentos que antes faziam parte da sua rotina alimentar.

Embora não haja um período determinado para que isso aconteça, é a partir da 12 ª semana de gravidez que o controle hormonal passa para a placenta e as características do estrogênio se modificam, o que pode dar início ou acentuar essas alterações no cardápio.

Deficiências nutricionais

Em alguns casos, deficiências nutricionais também podem despertar nas futuras mamães vontades bastante exóticas. Pode acontecer que pacientes vegetarianas, por exemplo, sintam uma vontade súbita de comer carne vermelha por deficiência de ferro no organismo.

Desejos inusitados, como a vontade de ingerir terra e tijolo, também podem estar ligados à deficiência do mineral. Nesses casos, é importante que o obstetra — ou, se o profissional julgar necessário, um nutricionista — suplemente a dieta da gestante.

É importante deixar claro que, embora isso possa ocorrer, nem todo desejo de grávida está ligado necessariamente a uma deficiência nutricional.

Lidando com os desejos de grávida

Uma vez que você entendeu melhor o que são os desejos de grávida e quais são os gatilhos que disparam essas vontades tão peculiares, separamos algumas dicas para você lidar com a situação sem deixar de lado a necessidade de manter uma dieta saudável e equilibrada. Saiba mais!

1. Planeje o seu consumo de calorias

Um dos maiores mitos sobre a gravidez é que as futuras mamães devem comer dobrado. Embora ao longo da gestação, seja necessário aumentar o número de calorias ingeridas — seu obstetra poderá orientá-la adequadamente sobre o assunto — isso nem de longe significa comer por duas pessoas.

Mantenha uma alimentação equilibrada, baseada em frutas, verduras, legumes, raízes e carnes magras, e evite ao máximo açúcar, frituras e farinhas brancas. Dessa maneira, se você eventualmente sentir vontade de comer algo mais calórico, poderá permitir-se sem culpa. É importante, no entanto, que isso seja exceção, e não a regra, ok?

2. Não deixe levar-se por crendices

É essencial que você não ceda à tentação de comer alimentos muito calóricos, exóticos ou sem valor nutricional baseado em crendices. Nenhuma criança vai nascer com aspecto de determinado alimento ou marca de nascença somente porque a futura mamãe não teve seus desejos de grávida atendidos.

Busque informações seguras com profissionais especializados e não deixe que lendas e histórias sem nenhum embasamento científico acabem prejudicando a sua alimentação e, consequentemente, a sua saúde.

3. Relate os desejos de grávida ao seu médico

É fundamental que a futura mamãe confie no seu obstetra e não tenha vergonha de relatar a ele os seus desejos de grávida.

Se você está fazendo combinações exóticas de alimentos, é importante que o profissional seja informado para que possa orientá-la sobre o que você pode comer e o que merece ser investigado por meio de uma bateria de exames.

Além disso, é sempre importante lembrar: por maior que seja a vontade, nunca leve à boca substâncias não comestíveis, como tijolo e cinzas. Normalmente, esses compostos são tóxicos, e podem acabar comprometendo não só a sua saúde, como o desenvolvimento do bebê. Dependendo da quantidade ingerida, algumas substâncias podem inclusive levar à morte. Por isso, desejos incontroláveis desse tipo devem ser reportados ao obstetra imediatamente.

4. Escute as suas emoções

Pode parecer difícil em um primeiro momento, mas sempre que sentir um desejo incontrolável de comer algo que pode prejudicar a sua dieta, pare por alguns segundos e respire profundamente.

Enquanto isso, questione-se mentalmente: o que você está sentindo é fome ou você está sentindo suprir algum outro tipo de sentimento — como ansiedade ou insegurança, tão comuns nessa fase — com comida?

Se for isso, tente preencher esse vazio emocional com outras atividades. Converse com amigos e familiares, tome um banho morno, faça uma caminhada relaxante. Vale a pena tentar em nome da sua saúde e do seu bebê, não é mesmo?

Como você pode ver, desejos de grávida são bastante comuns e, na maior parte dos casos, não indicam nenhum problema de saúde. Apesar disso, é importante aprender a lidar com eles. Dessa maneira, você poderá ter uma alimentação saudável e equilibrada na maior parte dos dias e se permitir algumas tentações de vez em quando.

É muito importante que você não deixe de falar sobre essa questão com seu obstetra. Assim, ele poderá orientá-la e, se necessário, investigar as causas dos desejos mais inusitados.

Gostou de entender melhor como você pode lidar com os desejos de grávida? Você conhece casos de mamães que sentiram vontades muito exóticas durante a gestação? Compartilhe comigo, vou adorar ouvir você!


Compartilhe!